Horário sem programação!

Política

Eduardo Leite decide abrir mão da pensão paga a ex-governadores

  • 20/06/2022 - 17:04
  • Atualizado 20/06/2022 - 22:17
Eduardo Leite decide abrir mão da pensão paga a ex-governadores
Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini/Divulgação

Eduardo Leite (PSDB) anunciou nesta segunda-feira que vai abrir mão da pensão mensal que passou a receber proporcionalmente em maio. Conforme os números do Portal da Transparência, o tucano recebeu R$ 19,6 mil na folha de maio e R$ 20,3 mil referentes a abril. Pelos dois meses, o ex-governador recebeu o montante bruto de R$ 39,9 mil.

O subsídio foi questionado na Justiça por deputados estaduais do Partido Novo, que alegaram que lei aprovada em 2021 no estado - portanto, antes da renúncia do tucano –, revogou o direito aos pagamentos, feitos de forma vitalícia a ex-governadores.

Em vídeo divulgado em suas redes, Leite disse que o pagamento da pensão é "legal", "transparente" e "dentro das regras éticas e morais", mas que decide abrir mão do benefício para não dar "espaço para mentiras".

“Pessoal, começou cedo, né? Nem bem me apresentei como précandidato a governador e já começaram adversários desesperados com ataques, com inverdades, com fake news. É um filme velho que a gente já conhece da política, da qual também já fui vítima lá em 2018, ataques infundados”, afirmou Leite.

Na gravação, Leite se defende dizendo que a lei de 2021 que extinguiu a pensão vitalícia a ex-governadores determinou que os ex-mandatários teriam o direito de receber o subsídio por quatro anos após o fim do mandato, proporcionalmente ao tempo no cargo.

Como a norma foi aprovada no ano passado e ele ficou de janeiro de 2019 até março deste ano no comando do Palácio Piratini, o cálculo foi o de
que teria direito a 65% do benefício, conforme parecer da Procuradoria Geral do Estado.